conecte-se conosco


Saúde

A ameaça dos fungos: quais as doenças causadas por eles?

Publicado

Esses seres microscópicos estão cada vez mais perigosos. Mas o que eles são e quais sintomas disparam no corpo?

Em dezembro de 2018, a professora Stephanie Spoor, de 64 anos, deu entrada no Northwestern Memorial Hospital, em Chicago, nos Estados Unidos, com falta de ar. Menos de dois meses depois, ela contraiu um fungo misterioso, não resistiu e morreu, vítima de insuficiência respiratória. Um exame de sangue detectou a presença do Candida auris, um superfungo que ataca pessoas com a imunidade debilitada, como portadores de HIV ou em tratamento contra o câncer, e submetidas a procedimentos invasivos (com sondas e cateteres, por exemplo). Indivíduos internados por longos períodos em UTIs e com histórico de uso prévio de antibióticos ou antifúngicos também fazem parte desse grupo de risco.

Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC) informa que o caso de Stephanie Spoor não é isolado. Até o momento, foram registrados 587 óbitos pelo fungo em hospitais de Nova York, Nova Jérsei e Illinois. Segundo Tom Chiller, chefe do Departamento de Doenças Micóticas do órgão, o C. aurisfoi identificado pela primeira vez em 2009 no canal auditivo de uma paciente no Japão – auris, em latim, é “ouvido”.

Leia mais:  Campanha de vacinação contra gripe atinge 65% do público-alvo no Rio

Cabe esclarecer que não se trata do mesmo micro-organismo por trás da candidíase: esse é o Candida albicans. O primo mais letal já se espalhou por mais de 30 países, como Espanha, Índia e África do Sul. “Não temos conhecimento de nenhuma infecção por C. auris no Brasil, mas é um fungo emergente que representa uma grave ameaça à população”, afirma Chiller.

O inimigo ainda não chegou por aqui, mas passou perto duas vezes. A primeira aparição na América do Sul foi notificada entre março de 2012 e julho de 2013 na Venezuela. Dos 18 pacientes infectados na UTI de um hospital neonatal, cinco morreram – três eram bebês.

Outro surto, desta vez na Colômbia, ocorreu em agosto de 2016. Não houve mortos. Um ano depois, em março de 2017, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um comunicado, alertando os serviços de saúde para o risco da chegada do fungo assassino ao Brasil. “Já foram registrados sete casos suspeitos: quatro em São Paulo, dois em Minas Gerais e um no Espírito Santo. Todos foram analisados e, até a presente data, nenhum caso foi confirmado”, conta Magda Costa, gerente de Vigilância e Monitoramento em Serviços de Saúde da Anvisa.

Leia mais:  Ministério da Saúde reconhece legitimidade do uso do termo 'violência obstétrica'

Os fungos mais temidos do mundo

Com exceção do Candida auris, os outros quatro já fizeram vítimas no Brasil

Candida auris: ataca pessoas internadas ou com o sistema imune comprometido. É resistente a remédios e pode matar em menos de três meses.

Aspergillus fumigatus: a aspergilose pode devastar os pulmões. Seu índice de mortalidade em pessoas com HIV ou câncer chega a 85%.

Lomentospora prolificans: apenas 20% dos acometidos sobrevivem a ele. Em 2018, o Brasil registrou a primeira morte na América do Sul.

Histoplasma capsulatum: parte para cima de vários órgãos e causa a chamada “doença das cavernas”. Pode ser transmitida por animais e o contágio se dá por via respiratória.

Penicillium Marneffei: a peniciliose pode atingir áreas vitais do corpo humano, como pulmões, fígado e rins, e, no caso de pessoas soropositivas e com baixa imunidade, até levar à morte.

Fonte:André Bernardo

publicidade

Saúde

Novo guia traz 12 passos para ofertar uma alimentação saudável às crianças

Publicado

Ministério da Saúde lança nova edição do Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos. Veja quais são as principais recomendações

Ministério da Saúde acaba de publicar o novo Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos. Entre as orientações atualizadas, destaca-se a de não consumir quaisquer fontes de açúcar adicionado e ultraprocessados nessa fase da vida.

Direcionado aos pais, responsáveis, educadores e profissionais que atuam com nutrição infantil, o manual segue a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para que os governos elaborem diretrizes nacionais sobre alimentação. A primeira edição brasileira foi publicada em 2002 — e revisada em 2010.

A versão atual foi escrita em uma linguagem mais acessível e inclui tópicos que vão além dos cuidados com a comida em si. Há, por exemplo, espaço para os direitos relacionados à nutrição infantil e o conceito da refeição como um momento de experiências positivas. Dicas de culinária (inclusive para pais vegetarianos) também integram a diretriz.

“Esse é um trabalho construído por inúmeras mãos em prol da saúde das crianças brasileiras. O guia não só aponta o caminho a ser seguido, como mostra o que devemos mudar na alimentação infantil”, afirma o ministro Luiz Henrique Mandetta, em comunicado à imprensa.

Leia mais:  Campanha de vacinação contra gripe atinge 65% do público-alvo no Rio

Fonte:Saúde Abril

Continue lendo

Saúde

Alergias em animais: causas, sintomas, diagnóstico e tratamentos

Publicado

A coceira excessiva pode ser sintoma de alergia, que, na pior e mais comum manifestação, exige atenção e tratamento a vida toda

Quem tem um bicho em casa sabe que aquela coceira atrás da orelha ou a lambidinha nas patas é hábito corriqueiro. De fato, cães e gatos, assim como humanos, se coçam vez ou outra sem que isso vire um problema. Mas, quando esse comportamento é constante, pode indicar a presença de uma alergia, condição que normalmente não tem cura e é capaz de comprometer o bem-estar do pet.

Nos centros urbanos, a má notícia é que a manifestação mais incômoda é também a mais comum. Falamos da dermatite atópica, doença genética que exige acompanhamento e tratamento junto ao veterinário.

“O tutor vai perceber se a coceira passa do limite aceitável. Quando o animal interrompe uma atividade, como comer, beber água ou brincar, para se coçar é sinal de que ela é patológica”, sinaliza o veterinário Alexandre Merlo, gerente da farmacêutica Zoetis, que desenvolve pesquisas e medicamentos para dermatite atópica.

Leia mais:  Ministério da Saúde reconhece legitimidade do uso do termo 'violência obstétrica'

Embora faltem estatísticas e dados científicos sobre a incidência dessa e de outras encrencas de base alérgica em animais de estimação, os profissionais são unânimes em afirmar que a chateação na pele já é a principal razão para procurar um veterinário.

Mas o que estaria acontecendo para que tantos cães e gatos desenvolvam reações do tipo? “É o estilo de vida. Com a humanização dos pets, eles passaram a ser tratados como crianças, gente da família. Vivem dentro de casas e apartamentos, e isso acarreta uma série de condutas que levam ao aumento dos problemas na pele”, analisa a veterinária Flávia Clare, professora da Equalis Educação em Medicina Veterinária, em Curitiba.

Trata-se do que os cientistas chamam de hipótese da higiene. Segundo essa teoria, quanto mais o dono cuida do seu bicho como se ele fosse um filho, com banhos regulares e ambiente limpinho, maior é a probabilidade de o sistema imunológico dele ficar sensível a poeira, ácaros e outros agentes que se espalham pelo ar e pelo chão.

Leia mais:  Estudo lista 21 doenças que podem ser detectadas com a ajuda de postagens do Facebook

Sem ter com o que se preocupar, as defesas acabam hiper-reagindo a fatores externos que não costumam causar estragos. Da mesmíssima forma que acontece com os humanos, também bem mais alérgicos nas últimas décadas.

A questão é que a dermatite atópica, especialmente, destrambelha a saúde física e mental do animal. “Notamos irritabilidade, intolerância e ansiedade”, aponta Marconi Farias, professor de veterinária da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

O prurido frequente leva a feridas crônicas que podem até dispersar um cheiro desagradável. É que, sem tratamento, as lesões evoluem para uma infecção bacteriana ou fúngica. Isso acontece quando o ecossistema da pele se desequilibra, e os seres microscópicos que habitam naturalmente a região se proliferam e invadem inclusive a corrente sanguínea. É um perigo que não fica à flor da pele.

Fonte:Saúde Abril

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

SÃO FELIX DO ARAGUAIA

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

MULHER

Mais Lidas da Semana