conecte-se conosco


Carros

Acionistas da Nissan aprovam novo sistema de direção da empresa após escândalo Ghosn

Publicado

Um novo organograma de direção busca reforçar os controles internos e apaziguar as tensões com a Renault.

Os acionistas da Nissanaprovaram nesta terça-feira (25) um novo organograma de direção. O objetivo é reforçar os controles internos após o caso Carlos Ghosn, em um contexto de tensões com a sócia francesa Renault.

O presidente executivo da Nissan, Hiroto Saikawa, foi confirmado no cargo durante a assembleia geral ordinária celebrada em Yokohama.

Os acionistas – mais de 2.800 – aprovaram a nova composição do conselho de administração, que foi ampliado a 11 membros, sendo 7 deles administradores externos.

A adoção do novo sistema acontece em nome de uma reforma tida como necessária pela empresa após a detenção, no fim do ano passado, do ex-CEO da Nissan, Carlos Ghosn, acusado de abuso de poder com fins pessoais.

O escândalo enfraqueceu a aliança Renault-Nissan, que havia sido idealizada e estimulada por Ghosn – a Renault possui 43% da Nissan, mas o grupo japonês tem apenas 15% da montadora francesa, sem direito a voto.

Leia mais:  STF vai julgar se punição a quem recusa teste do bafômetro é constitucional

O presidente da Renault, Jean-Dominique Senard, acompanhou a assembleia e afirmou que desde que assumiu o cargo tem feito todo o possível para “apaziguar” as tensões na aliança, na qual o grupo japonês deseja maior capacidade de decisão.

Fonte:G1

publicidade

Carros

De Bugatti a Cadillac: veja os 10 carros com os maiores motores da história.

Publicado

Reprodução Do UOL Em São Paulo (SP) 06/06/2020 04h00

Se a indústria automotiva no momento busca cada vez mais diminuir seus motores e deixa-los mais eficientes para controlar as emissões, já houve um tempo em que isso não era uma preocupação. E mesmo fazendo um carro se tornar pesado demais ou pouco econômico, fabricantes investiam pesado no conceito em nome do desempenho. Veja aqui alguns dos principais exemplos na história:

Os 10 carros com os maiores motores da história

Bentley 8-Litre (8,0 litros)

Se havia um hipercarro nos anos 1930, era certamente este aqui. Não apenas porque somente 100 foram feitos, mas também por seu motor de 8 litros – absolutamente distante da realidade dos carros da época. Seus 220 cv o transformavam em um dos carros de rua mais potentes… em 1931.

Bugatti Veyron (8,0 litros)

O carro francês leva a capacidade de seu motor de 8 litros W16 à prova, chegando a impressionantes 407 km/h com seus 987 cv de potência. Com quatro turbos e 64 válvulas, são necessários dez radiadores para manter a unidade na temperatura correta.

Chevrolet Suburban (8,1 litros)

Com um corpo grande e pesado, o Suburban necessitava de um motor “à altura”. Assim, de 2001 a 2006, o motor Vortec V8 de 340 cv foi oferecido como o maior para o modelo. No fim, a unidade foi cortada da produção pelo grande consumo de combustível.

Cadillac Eldorado (8,2 litros)

O Eldorado foi lançado em 1953, mas foi sendo atualizado ao longo dos anos e em 1970 teve seu motor aumentado para 8,2 litros, produzindo modestos 400 cv. Obviamente, o propulsor acabou sendo estrangulado pelas leis nos anos seguintes devido a sua alta emissão. Em 1976, o motor dispunha de apenas 190 cv.

Dodge Ram (8,3 litros)

Utilizando o mesmo motor do Viper, a Ram SRT-10 oferecia em 2004 – ano de seu lançamento – cerca de 500 cv. Sua força era impressionante, com o carro indo de 0 a 100 km/h em 4,9 segundos e chegando a cerca de 233 km/h.

Leia mais:  Motoristas de aplicativo chinês criam barreiras para enfrentar o novo coronavírus
Continue lendo

Carros

Volkswagen lança novo Golf GTI com 245 cavalos e câmbio manual

Publicado

Além dele, versões híbrida, GTE, e diesel, GTD, também foram reveladas. Modelos serão lançados oficialmente no Salão de Genebra, na próxima semana.

A Volkswagen se antecipou ao Salão de Genebra, que acontece na próxima semana, e revelou as novas versões esportivas do Golf 8: GTI, GTD e GTE.

Mais conhecido no Brasil, o Golf GTI agora tem 245 cavalos – são 15 cv a mais do que a geração anterior, que saiu de linha no Brasil no final do ano passado.

Ele será oferecido, de série, com câmbio manual de 6 marchas, para a alegria dos puristas. Opcionalmente, há uma transmissão de dupla embreagem e 7 marchas.

Volkswagen Golf GTI — Foto: DivulgaçãoVolkswagen Golf GTI — Foto: Divulgação

Volkswagen Golf GTI — Foto: Divulgação

GTE para o Brasil?

Porém, as chances de o GTI voltar ao Brasil são bem pequenas. A Volkswagen, como indicou o presidente da empresa na América do Sul, Pablo Di Si, indicou que a preferência deve ser pelo híbrido, GTE, o único Golf vendido atualmente no Brasil.

Mas isso não é tão ruim, pelo contrário. O GTE teve um considerável aumento na potência, saindo dos atuais 204 cv para os mesmos 245 cv do GTI. O motor 1.4 turbo a combustão continua entregando os 150 cv. Porém, o propulsor elétrico agora rende 115 cv.

Leia mais:  Motoristas de aplicativo chinês criam barreiras para enfrentar o novo coronavírus

Volkswagen Golf GTE — Foto: DivulgaçãoVolkswagen Golf GTE — Foto: Divulgação

Volkswagen Golf GTE — Foto: Divulgação

Vale lembrar que a potência de veículos híbridos nem sempre é a soma dos dois motores. Além disso, o GTE pode ser carregado na tomada, e rodar até 60 km no modo 100% elétrico, graças ao aumento de 50% na capacidade da bateria. A transmissão é de dupla embreagem e 6 marchas, criada especialmente para veículos híbridos.

Já o Golf GTD, versão esportiva, mas com motor a diesel, agora tem 200 cv em seu 2.0 de 4 cilindros. Os três modelos alcançam a velocidade máxima de 210 km/h.

Assinatura nas luzes

Assinatura visual dos novos Volkswagen Golf esportivos — Foto: DivulgaçãoAssinatura visual dos novos Volkswagen Golf esportivos — Foto: Divulgação

Assinatura visual dos novos Volkswagen Golf esportivos — Foto: Divulgação

A principal característica visual dos Golf esportivos é o conjunto de 10 lâmpadas auxiliares de LED, posicionadas na tomada de ar inferior do hatch – 5 de cada lado.

Além disso, a tradicional “maquiagem” esportiva foi preservada. O nome Golf foi suprimido. Em seu lugar, a tampa do porta-malas ostenta apenas a sigla correspondente à versão: GTI, GTE ou GTD.

Leia mais:  Honda Bros 160 Special Edition é lançada por R$ 13.160 com visual inspirado nas CRFs

A temática das cores também está presente. Uma fina barra logo acima da grade indica qual versão se trata. Ela pode ser vermelha para o GTI, azul para o GTE ou prata para o GTD. Essa mesma barra recebe, pela primeira vez, iluminação por LEDs.

Mais tecnologia

Interior do Volkswagen Golf GTI — Foto: DivulgaçãoInterior do Volkswagen Golf GTI — Foto: Divulgação

Interior do Volkswagen Golf GTI — Foto: Divulgação

A Volkswagen também caprichou no pacote tecnológico. Agora, as versões esportivas contam com quadro de instrumentos digital de 10,25 polegadas e central multimídia de 10 polegadas.

Todas as versões esportivas do Golf vêm de fábrica com alerta de mudança de faixa, frenagem automática com detecção de pedestres, ar-condicionado digital, faróis de LED e rodas de 17 polegadas (aros 18 e 19 são opcionais). E os bancos de tecido com tema xadrez também está presente.

Banco em tecido com tema xadrez do Golf GTI — Foto: DivulgaçãoBanco em tecido com tema xadrez do Golf GTI — Foto: Divulgação

Banco em tecido com tema xadrez do Golf GTI — Foto: Divulgação

Saída dupla de escape do Golf GTI — Foto: DivulgaçãoSaída dupla de escape do Golf GTI — Foto: Divulgação

Saída dupla de escape do Golf GTI — Foto: Divulgação

Fonte: G1

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

SÃO FELIX DO ARAGUAIA

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

MULHER

Mais Lidas da Semana