conecte-se conosco


Tecnologia

Android: como gravar todas as suas ligações automaticamente

Publicado

Você já brigou com alguém e disse: “Eu deveria ter gravado o que eu disse”? Ainda mais em conversas em telefone, já que você pode se distrair facilmente e perder o que foi dito? Talvez haja uma solução para esses casos. Se as suas ligações são feitas por meio de um smartphone Android, saiba que é possível gravar facilmente as chamadas.

O aplicativo “Gravador de Chamadas” (Automatic Call Recorder), da Appliqato, é gratuito e faz esse serviço muito bem. Se você quer saber como usá-lo e entender melhor sobre as suas funcionalidades, acompanhe o tutorial abaixo.

Primeiro passo

Baixe o Gravador de Chamadas na Google Play e o instale no seu smartphone. Ele é gratuito e bem leve, então não deve prejudicar o desempenho do seu aparelho.

Segundo passo

Por definição, ele já está ativo assim que instalado. Quando você entrar no app, ele vai perguntar se você quer mudar as cores de fundo e manter alguma conexão com a nuvem para armazenar os arquivos. Vá até os três riscos ao lado de “Gravações” e confira se o tópico “Gravar Chamadas” está ativado.

Leia mais:  Xiaomi lança loja física e online no Brasil, e vai vender de smartphones a patinetes

Terceiro passo

Ao ligar, para você ter certeza de que o app está gravando, uma bola vermelha vai aparecer na área de notificações. Assim que a chamada for finalizada, outra notificação vai te avisar de um novo arquivo de áudio gravado.

Quarto passo

Logo ao abrir o aplicativo, no menu principal, você pode ver, ouvir, editar, salvar e excluir o arquivo de conversa salvo: basta clicar na conversa desejada.

Porém, se você é uma pessoa que conversa muito no celular, lembre-se que arquivos de áudio também ocupam espaço na memória. Então sempre fique ligado se as gravações não estão comendo a capacidade do seu aparelho.

Fonte:TecMundo

publicidade

Tecnologia

8chan: quem é Fredrick Brennan, criador arrependido do fórum de ódio frequentado por autor do massacre de El Paso

Publicado

Tornou-se algo comum: após ataques de atiradores, parte-se para investigar se o suspeito era ativo no fórum digital 8chan.

Essa espécie de rede social, que nasceu como o “paraíso” da liberdade de expressão, se tornou um ponto de encontro quase obrigatório de pessoas extremistas e violentas.

No 8chan, foram difundidas, por exemplo, as ideias dos autores do massacre em mesquitas da Nova Zelândia, em março, e do ataque a tiros em uma sinagoga na Califórnia, em abril.

Por isso, não surpreende ver relatos de que a plataforma também teria sido usada para disseminar a mensagem de ódio aos imigrantes do atirador que matou pelo menos 22 pessoas em um supermercado, no sábado (03), em El Paso, cidade a poucos quilômetros da fronteira entre os EUA e o México, no Texas.

Mas quem está por trás deste fórum que abriga comentários racistas e ideias extremistas?

Gênio da informática

O 8chan foi fundado em 2013 por Fredrick Brennan, um programador de 25 anos conhecido pelo apelido de “Hotwheels”.

Nascido em Nova York, ele mora atualmente nas Filipinas.

Brennan sofre de osteogênese imperfeita, condição rara que tem como principal característica a fragilidade dos ossos, que quebram com facilidade – conhecida também como “ossos de vidro”.

O jovem, que se movimenta em uma cadeira de rodas, usa braços mecânicos para realizar as tarefas diárias, como abrir a torneira ou pegar comida no armário.

Desde pequeno ele mostrava vocação para informática. Aos 13 anos, já havia criado seu primeiro programa de computador.

“Atrás do teclado, não importa que meu corpo não funcione corretamente”, disse ele à rede Aljazeera em 2014.

Leia mais:  Uber vai retomar testes com carros autônomos após se envolver em acidente fatal

Frustração com o 4chan

Em entrevista em 2015, Brennan contou que estava frustrado com o resultado do 4chan, um fórum similar na internet, e queria lançar uma alternativa baseada na liberdade de expressão ilimitada. Por isso, decidiu criar o 8chan.

Em 2016, no entanto, Brennan deixou o comando do site e o cedeu a Jim Watkins, veterano do Exército americano que também vive nas Filipinas.

Desde então, o programador diz ter se distanciado de tudo relacioado ao 8chan, como os manifestos de incitação à violência que acontecem ali.

Após o massacre de sábado em El Paso, Brennan mostrou sua indignação no Twitter:

“Outro tiroteio do 8chan?”, escreveu. “Será que em algum momento poderei seguir adiante com a minha vida?”

Após dizer que o site nunca vai dar dinheiro, acabou pedindo a Watkins que lhe fizesse um favor e fechasse a plataforma.

No domingo, o programador rogou ao jornal americano The New York Times: “Fechem o site”.

“Não é bom para o mundo. É completamente negativo para todo mundo, exceto para os usuários que estão lá. E sabe de uma coisa? Também é ruim para eles. E eles simplesmente não se dão conta disso”, acrescentou.

“Assassinos estão usando (a plataforma), mas parece que eles não se importam”, afirmou Brennan, fazendo referência ao administrador da página.

afirmou Brennan, fazendo referência ao administrador da página.

Embora o 8chan não apareça nos resultados de pesquisa do Google, a Alexa Internet, companhia que fornece dados de tráfego online, afirma que a plataforma está entre os 5 mil sites mais importantes do mundo.

Leia mais:  Preço da internet no Brasil subiu em 2017 após seis anos de queda, diz Anatel

Como o 8chan se manteve ativo?

Imagens das câmeras de circuito interno de segurança mostram o atirador do ataque em El PasoDireito de imagemAFP
Image captionA polícia identificou o suspeito do ataque de El Paso como Patrick Crusius, de 21 anos

Inicialmente, a empresa que gerencia o registro de domínio do 8chan, a Tucows, disse que não tinha planos de cancelar o registro no site.

Após a repercussão negativa, no entanto, anunciou na segunda-feira (05) que não prestaria mais serviço ao fórum.

Outra empresa chave para isso é a Cloudflare, que protege sites contra ataques na internet.

A Cloudflare é extremamente relutante em retirar seus serviços de qualquer site, independentemente do tema, e só fez isso em um caso de grande repercussão envolvendo um site neonazista.

Logo após o ataque em El Paso, o presidente-executivo da Cloudflare, Matthew Prince, disse que a empresa continuaria a apoiar o 8chan.

Mas, no domingo, comunicou que a companhia deixaria de prestar seus serviços, já que “o 8chan provou ser repetidas vezes um poço sem fundo de ódio”.

“Mesmo que o 8chan não tenha violado nenhuma lei ao se recusar a moderar sua comunidade cheia de ódio, eles criaram um ambiente que se deleita em violar seu espírito.”

Pessoas choram após o tiroteio em El PasoDireito de imagemAFP
Image captionPelo menos 22 pessoas morreram no ataque do último sábado em El Paso

Na segunda-feira, o site ficou fora do ar após postar a seguinte mensagem em seu perfil no Twitter: “Pode haver algum período de inatividade nas próximas 24 ou 48 horas enquanto encontramos uma solução”.

Brennan disse ao jornal The New York Times que duvidava que Watkins ganhasse dinheiro com o 8chan, uma vez que o site é gratuito e seu conteúdo tóxico afasta anunciantes.

Em entrevista ao site BuzzFeed em 2017, Watkins afirmou que o 8chan “não dava dinheiro, mas era muito divertido”.

Brennan tem esperança de que a pressão social faça com que Watkins mude de ideia e feche o 8chan para sempre.

“Por quanto tempo vão permitir que isso continue?”, questiona.

Fonte:BBCNEWS

Continue lendo

Tecnologia

O acidente espacial que espalhou milhares de animais microscópicos da Terra na Lua

Publicado

A Lua pode ser o novo lar de milhares de indivíduos considerados como alguns dos mais indestrutíveis do planeta Terra.

Os tardígrados – frequentemente chamados de ursos da água – são criaturas com menos de um milímetro de comprimento que podem sobreviver a temperaturas de 150ºC e congeladas até quase zero absoluto.

Eles estavam viajando em uma espaçonave israelense que se acidentou ao pousar na Lua em abril. E o cofundador da organização que os colocou lá acredita que eles ainda estejam vivos.

Os ursos da água foram desidratados, colocados em animação suspensa e depois envoltos em âmbar artificial.

“Acreditamos que as chances de sobrevivência para os tardígrados são extremamente altas”, disse Nova Spivack, chefe da Arch Mission Foundation.

A Arch Mission Foundation mantém uma espécie de “backup” do planeta Terra – com o conhecimento humano e a biologia do planeta armazenados e enviados para vários locais do espaço no caso de a vida ser extinta por aqui.

A “biblioteca lunar” – algo parecido com um DVD que contém um arquivo de 30 milhões de páginas da história dos seres humanos visível sob microscópios, assim como o DNA humano – foi levada à Lua pelo robô Beresheet.

Leia mais:  Celulares da Huawei terão acesso ao Google Play, mas sem atualizações

E, ao lado de tudo isso, estavam os tardígrados desidratados – havia alguns em âmbar e outros presos em uma fita.

Chances de sobrevivência

Para a maioria das criaturas, não haveria volta para o estado de desidratação – a vida sem água é quase impossível.

Os tardígrados podem passar até décadas desidratados e depois serem trazidos de volta à vida. Os cientistas descobriram que eles têm o que se assemelha quase a um super poder.

Quando secos, eles retraem a cabeça e as oito patas, se encolhem em uma minúscula bola e entram em um estado profundo de animação suspensa parecido com a morte.

Eles perdem quase toda a água do corpo e seu metabolismo diminui para 0,01% da taxa normal.

E, caso sejam reintroduzidos na água décadas mais tarde, podem se reanimar.

Os tardígrados foram os primeiros animais a sobreviver sem proteção no espaço, em 2007, e esse feito fez deles candidatos perfeitos para a biblioteca lunar do Arch Mission.

“Os tardígrados são ideais porque são microscópicos, multicelulares e uma das formas mais duráveis ​​de vida no planeta Terra”, disse Nova.

Leia mais:  Preço da internet no Brasil subiu em 2017 após seis anos de queda, diz Anatel

Mesmo que esse seres tenham sobrevivido ao impacto na Lua, esse fato pode não ser tão bom assim, segundo alguns especialistas.

“O que isso significa é que o chamado ‘ambiente intocado’ da Lua foi quebrado”, disse Monica Grady, professora da Open University.

Quando as espaçonaves saem da Terra, elas são obrigadas pelo Tratado do Espaço Exterior a não contaminar seu ambiente.

“Você pode dizer que foi quebrado em 1969 quando Neil Armstrong e Buzz Aldrin estavam lá, o que é verdade, mas desde então nos tornamos muito mais conscientes de como devemos preservar esses corpos planetários”, disse.

“Não acho que alguém tenha permissão para distribuir tardígrados desidratados sobre a superfície da Lua. Então, isso não é uma coisa boa.”

Se os tardígrados estão na Lua, é muito improvável que eles possam voltar à vida sem serem reintroduzidos na água.

Mas seria teoricamente possível que os tardígrados fossem coletados, trazidos de volta à Terra, reanimados e estudados.

Ainda assim, é bom pensar que da próxima vez que você olhar para a Lua, pode haver milhares de ursos de água (desidratados) ali.

Fonte:BBCNEWS

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

SÃO FELIZ DO ARAGUAIA

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

MULHER

Mais Lidas da Semana