conecte-se conosco


Saúde

Como se proteger da micose

Publicado

Esses fungos podem causar infecções incômodas e resistentes na pele do corpo todo. Aprenda a evitar e combater direito o problema

Só a bela e perfeita bailarina da música de Chico Buarque é que não tem “coceira, berruga nem frieira”. Na vida real todo mundo pode ser vítima dos fungos causadores de micoses, especialmente nos dias quentes. E a frieira, também chamada de pé-de-atleta, é uma das mais comuns.

Os especialistas costumam classificar as tais infecções fúngicas em superficiais ou profundas. As primeiras são endêmicas, isto é, ocorrem quando as condições ambientais — calor, umidade, pouca luz e presença de matéria orgânica — favorecem o crescimento de fungos.

Já as micoses profundas, em geral oportunistas, acometem pessoas que apresentam grave deficiência imunológica. É o caso de pacientes de câncer, aids ou os internados em unidades de terapia intensiva, alvos fáceis de micro-organismos que podem invadir órgãos internos e causar altos índices de mortalidade.

Essas infecções invasivas vêm aumentando nos últimos anos, fruto paradoxal da eficácia da Medicina no tratamento de doenças graves. Explica-se: a maior sobrevida e o tempo prolongado em ambiente hospitalar elevam o risco de infecções. Felizmente, há cada vez mais medicamentos antifúngicos que tendem a reduzir o número de vítimas fatais.As micoses superficiais — que atingem pele e unhas — em geral não trazem maiores riscos para a saúde da imensa maioria da população. O que não quer dizer que dispensem atenção, porque comprometem a qualidade de vida. Elas devem, sim, ser tratadas.

Leia mais:  Iludidos por propaganda enganosa, pais dão substância parecida com água sanitária a filhos com autismo

Fonte:Theo Ruprecht

publicidade

Saúde

Novo guia traz 12 passos para ofertar uma alimentação saudável às crianças

Publicado

Ministério da Saúde lança nova edição do Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos. Veja quais são as principais recomendações

Ministério da Saúde acaba de publicar o novo Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos. Entre as orientações atualizadas, destaca-se a de não consumir quaisquer fontes de açúcar adicionado e ultraprocessados nessa fase da vida.

Direcionado aos pais, responsáveis, educadores e profissionais que atuam com nutrição infantil, o manual segue a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para que os governos elaborem diretrizes nacionais sobre alimentação. A primeira edição brasileira foi publicada em 2002 — e revisada em 2010.

A versão atual foi escrita em uma linguagem mais acessível e inclui tópicos que vão além dos cuidados com a comida em si. Há, por exemplo, espaço para os direitos relacionados à nutrição infantil e o conceito da refeição como um momento de experiências positivas. Dicas de culinária (inclusive para pais vegetarianos) também integram a diretriz.

“Esse é um trabalho construído por inúmeras mãos em prol da saúde das crianças brasileiras. O guia não só aponta o caminho a ser seguido, como mostra o que devemos mudar na alimentação infantil”, afirma o ministro Luiz Henrique Mandetta, em comunicado à imprensa.

Leia mais:  Bronzeamento natural ou gelado deixa "marquinha" e melhora autoestima -

Fonte:Saúde Abril

Continue lendo

Saúde

Alergias em animais: causas, sintomas, diagnóstico e tratamentos

Publicado

A coceira excessiva pode ser sintoma de alergia, que, na pior e mais comum manifestação, exige atenção e tratamento a vida toda

Quem tem um bicho em casa sabe que aquela coceira atrás da orelha ou a lambidinha nas patas é hábito corriqueiro. De fato, cães e gatos, assim como humanos, se coçam vez ou outra sem que isso vire um problema. Mas, quando esse comportamento é constante, pode indicar a presença de uma alergia, condição que normalmente não tem cura e é capaz de comprometer o bem-estar do pet.

Nos centros urbanos, a má notícia é que a manifestação mais incômoda é também a mais comum. Falamos da dermatite atópica, doença genética que exige acompanhamento e tratamento junto ao veterinário.

“O tutor vai perceber se a coceira passa do limite aceitável. Quando o animal interrompe uma atividade, como comer, beber água ou brincar, para se coçar é sinal de que ela é patológica”, sinaliza o veterinário Alexandre Merlo, gerente da farmacêutica Zoetis, que desenvolve pesquisas e medicamentos para dermatite atópica.

Leia mais:  Câmara pode investigar Hospital de Câncer

Embora faltem estatísticas e dados científicos sobre a incidência dessa e de outras encrencas de base alérgica em animais de estimação, os profissionais são unânimes em afirmar que a chateação na pele já é a principal razão para procurar um veterinário.

Mas o que estaria acontecendo para que tantos cães e gatos desenvolvam reações do tipo? “É o estilo de vida. Com a humanização dos pets, eles passaram a ser tratados como crianças, gente da família. Vivem dentro de casas e apartamentos, e isso acarreta uma série de condutas que levam ao aumento dos problemas na pele”, analisa a veterinária Flávia Clare, professora da Equalis Educação em Medicina Veterinária, em Curitiba.

Trata-se do que os cientistas chamam de hipótese da higiene. Segundo essa teoria, quanto mais o dono cuida do seu bicho como se ele fosse um filho, com banhos regulares e ambiente limpinho, maior é a probabilidade de o sistema imunológico dele ficar sensível a poeira, ácaros e outros agentes que se espalham pelo ar e pelo chão.

Leia mais:  Miojo pode causar infarto, AVC e até câncer, diz especialista

Sem ter com o que se preocupar, as defesas acabam hiper-reagindo a fatores externos que não costumam causar estragos. Da mesmíssima forma que acontece com os humanos, também bem mais alérgicos nas últimas décadas.

A questão é que a dermatite atópica, especialmente, destrambelha a saúde física e mental do animal. “Notamos irritabilidade, intolerância e ansiedade”, aponta Marconi Farias, professor de veterinária da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

O prurido frequente leva a feridas crônicas que podem até dispersar um cheiro desagradável. É que, sem tratamento, as lesões evoluem para uma infecção bacteriana ou fúngica. Isso acontece quando o ecossistema da pele se desequilibra, e os seres microscópicos que habitam naturalmente a região se proliferam e invadem inclusive a corrente sanguínea. É um perigo que não fica à flor da pele.

Fonte:Saúde Abril

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

SÃO FELIX DO ARAGUAIA

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

MULHER

Mais Lidas da Semana