conecte-se conosco


Esportes

Senador critica projeto de clube-empresa da Câmara e propõe estrutura específica

Publicado

A Câmara dos Deputados aprovou na última semana um projeto de lei que pretende estimular os clubes de futebol a se tornarem empresas. O texto do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) agora está para ser votado no Senado, onde deverá encontrar resistência, pois existe uma projeto concorrente do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Apesar de serem do mesmo partido, eles discordam em um ponto básico para definição desta regulamentação. O deputado acha que não é necessário criar uma estrutura societária específica, ou seja, que dá para adaptar o mundo da bola às leis empresariais existentes. Depois de entrevistar Pedro Paulo na semana passada, o Estado foi ouvir Pacheco para entender o seu ponto de vista nesta questão.

“Todas as reformas legislativas, desde a Lei Zico, passando pela Lei Pelé e Lei do Profut, foram pelo caminho de incentivar a criação de empresa, com base nos tipos societários regulados pelo Código Civil. Nenhuma delas funcionou. A proposta da Câmara vai no mesmo sentido, de modo que ela não traz nada de novo. Ao contrário, insiste no mesmo caminho, malsucedido – são os números do futebol brasileiro que dizem isso. Aliás, o futebol vive uma crise que não é conjuntural, mas sistêmica”, comentou.

Leia mais:  Giannis Antetokounmpo é eleito MVP no NBA Awards e entra para a história

Os dois projetos, no entanto, possuem alguns pontos em comum. Eles tomam o futebol europeu como fonte de inspiração, prometem aumentar a fiscalização sobre dirigentes e empresários e atrair investidores. Ambos também têm como principal objetivo colocar fim às dívidas dos clubes, creem que só o modelo empresarial ajudará nessa transformação e tentam não impor nada. A adesão nos dois casos é voluntária.

Tanto um quanto o outro concordam que o Governo Federal não deve mais subsidiar o futebol nacional e seria um erro perdoar mais uma vez os déficits. Pedro Paulo, no entanto, sugere taxas de juros especiais para os clubes financiarem as suas dívidas. Pacheco criou as debêntures-fut. Debêntures são títulos de dívida que uma empresa lança no mercado para captar dinheiro. Quem compra se tornar credor. Segundo o senador, em 2018 as companhias brasileiras emitiram R$ 147 bilhões. “Nenhum centavo dessas emissões foi direcionado para o futebol”.

“O meu projeto prevê a criação da SAF e oferece regras específicas de governança, controle, publicidade e financiamento da atividade futebolística, e no mais, a submete ao regime da sociedade anônima, que é o porto seguro do mercado de capitais brasileiro. Uma solução simples e extremamente eficiente”, disse Pacheco.

Leia mais:  Após doping, Bia Haddad faz exame que não aponta irregularidades; entenda

Para que esse dinheiro vá para o futebol dois fatores precisam ser alterados: a revisão do modelo associativo dos clubes e o incentivo ao direcionamento de recursos privados. “O meu projeto permite que os investidores, ou seja, as pessoas que subscreverem debêntures emitidas pelos times – as debêntures-fut – se sujeitarão à incidência do imposto sobre a renda, exclusivamente na fonte”.

O projeto informa que o time que captar recursos por meio de debênture-fut deverá alocá-los no desenvolvimento de atividades ou no pagamento de gastos, despesas ou dívidas relacionadas às atividades próprias, sendo proibido o direcionamento para outros fins.

FONTE:ISTO É

publicidade

Esportes

Final do Mundial definida: Flamengo vs. Liverpool

Publicado

Finalmente a tão aguarda final do Mundial de Clubes da FIFA foi definida, e deu o que todos esperavam: o Flamengo irá enfrentar o Liverpool no sábado, dia 21, no estádio Khalifa Internacional, em Doha, no Qatar.

A grande final, que era tudo em que o torcedor do Flamengo pensava, desde que o clube foi campeão da Libertadores e do Brasileirão (no mesmo final de semana), foi definida após as duas equipes superarem seus adversários nas semifinais dos dias 17 e 18.

Agora, toda a atenção está voltada para sábado e o torcedor flamenguista sabe que não vai ser uma tarefa fácil ganhar do Liverpool, uma das potências europeias e mundiais da atualidade.

O caminho até a final do Mundial

Como já é definido no regulamento há muitos anos, o Flamengo e o Liverpool, campeões da Libertadores 2019 e da Champions League 2018/2019, respectivamente, entraram no torneio apenas nas semifinais.

Os primeiros a entrar em campo foram os brasileiros, que jogaram na terça-feira, dia 17, contra o Al Hilal, campeão da Liga dos Campeões da AFC desse ano.

Apesar do sufoco que passou no primeiro tempo, ao começar perdendo por 1×0, o time brasileiro voltou com tudo depois do intervalo e venceu a partida por 3×1, garantindo a vaga na grande final do Mundial do dia 21, com show de Bruno Henrique.

Já o Liverpool entrou em campo na quarta-feira, dia 18, contra o Monterrey, campeão da Liga dos Campeões da CONCACAF 2019, e venceu o jogo por 2×1.

O jogo do time inglês, aliás, foi bem mais difícil do que qualquer torcedor dos Reds ou do próprio Monterrey esperava, e foi decidido apenas nos acréscimos, com gol do brasileiro Roberto Firmino.

A equipe inglesa, aliás, entrou em campo com uma equipe “alternativa”, por decisão do técnico Jurgen Klopp, depois de ter jogado uma rodada do campeonato inglês no sábado, dia 14.

A escalação titular não contou com Mané, Firmino (que entrou e marcou o gol da vitória que levou a equipe à final) e Van Djik, desfalque por conta de doença.

Apesar de não ter feito uma boa partida, para a maioria, os ingleses ainda chegam à final do sábado como os principais favoritos ao título mundial.

A grande final do Mundial

A final do Mundial, que será disputada no estádio Khalifa Internacional, em Doha, no Qatar, tem para os torcedores ingleses um clima de revanche, pela derrota na Copa Intercontinental (antigo mundial) de 1981, para o time brasileiro, por 3×0.

Jogadores estrelas do Liverpool, como Alisson Becker e Sadio Mané, consideram que o jogo contra os brasileiros será bastante difícil, e que a equipe precisará dar o máximo de si se deseja voltar com o título mundial para a Inglaterra.

Para isso, o Liverpool deve entrar com força máxima na grande final, com Firmino e Mané de volta ao time titular, mas ainda sem a confirmação de Klopp sobre se Van Dijk terá condições de jogo.

O Flamengo também deverá entrar com o que há de melhor no seu elenco, apesar da preocupação que há com a condição física do lateral Filipe Luís e do meia Gerson, que apresentam alto desgaste pela maratona de jogos.

Pelos dois terem sido contratados sem férias, a queda no rendimento dos dois pela parte física é evidente, principalmente do lateral esquerdo, que foi bastante criticado no jogo contra o Al Hilal.

Agora é esperar até o jogo de sábado para saber quem sairá vitorioso dessa que é considerada como a mais empolgante final de mundial de clubes dos últimos tempos.

E você torcedor, acha que o Mengão vai conseguir superar os ingleses e trazer o bicampeonato mundial para casa?

Fonte:Cenário MT

Leia mais:  Manchester United decide não negociar Paul Pogba nesta janela

Continue lendo

Esportes

Eleito o melhor em campo, Bruno Henrique revela pedido de Jesus: “Não diminuir a intensidade”

Publicado

Destaque do Flamengo na vitória sobre o Al Hilal por 3 a 1, nesta terça-feira, na semifinal do Mundial de Clubes, Bruno Henrique revelou que Jorge Jesus previu a queda de rendimento do time saudita na segunda etapa. Após sair para o intervalo em desvantagem de 1 a 0, o Rubro-Negro dominou o segundo tempo e conseguiu a virada.

– Nós vimos o jogo deles contra o Esperance e vimos que, no segundo tempo, eles caíram de rendimento. A gente conversou, e o Mister falou para a gente não diminuir a intensidade, porque o time deles ia cansar, e foi o que aconteceu. A gente, com a nossa qualidade, conseguiu virar o jogo.

Bruno Henrique participou dos três gols do Flamengo na semifinal. Ele deu a assistência para Arrascaeta fazer o gol de empate, marcou o segundo e cruzou para o terceiro, de Al-Bulayhi, contra. O camisa 27 destacou destacou a força coletiva do time brasileiro e exaltou a presença do torcedor rubro-negro em Doha.

– NÃO ACHO QUE ESTIVEMOS TÃO ABAIXO ASSIM NO PRIMEIRO TEMPO. FALTOU FAZERMOS O QUE TREINAMOS. SABÍAMOS QUE O AL HILAL NÃO MANTERIA A INTENSIDADE NO SEGUNDO TEMPO. CONSEGUIMOS FAZER AS JOGADAS E NÃO FOI SÓ O INDIVIDUAL QUE NOS LEVOU A FINAL, MAS O COLETIVO.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

SÃO FELIX DO ARAGUAIA

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

MULHER

Mais Lidas da Semana